Sigam Nossa Pagina

Style2

Mais Informações Clicar na imagem


Armando Monteiro diz que movimento deve levar políticos a fazer grande reflexão
O senador Armando Monteiro falou ao programa Argumento, da TV Senado, sobre os protestos que têm tomado conta do País. Para ele, a mobilização revela o incômodo das pessoas com o caos instalado nas cidades, em especial com a questão do transporte público e da mobilidade urbana. “Este movimento expressa um estado crescente de insatisfação com o espaço de convivência das cidades”, diz.
Segundo Armando, os protestos também são fruto da ampliação do poder de renda de grande parte da população, que não foi acompanhado pela melhoria na qualidade dos serviços públicos. “As pessoas passaram a ter mais renda e, paradoxalmente, se sentem menos contempladas por este estado, perdendo a cada dia qualidade de vida”, analisa.
Outra leitura do senador é de que os movimentos revelam um sentimento dos cidadãos que não enxergam na agenda da classe política aquelas questões que afetam decisivamente as suas vidas. “Este movimento, e tudo aquilo o que ele expressa, deve levar os políticos a fazer uma grande reflexão”.
Por fim, Armando diz que a mobilização deve estimular a discussão em torno de uma agenda mais ampla e estruturante para o país, e não se resumir apenas a medidas pontuais.
Veja abaixo trechos da entrevista
Movimentos expressam crise nas cidades
É um movimento político na melhor acepção da palavra, lembrando sempre que a política tem esta coisa da polis, que tem uma relação com a convivência urbana. Veja que coisa curiosa. Na origem da palavra política você tem esta questão do cidadão e a cidade. Esta crise, a meu ver, é claramente urbana, que é magnificada exatamente por conta das carências e das disfuncionalidades das cidades. Cada dia as pessoas se incomodam mais com o caos que está se instalando nas cidades, e o transporte e a mobilidade são talvez as expressões mais inquietantes e de desconforto com este processo que hoje nós verificamos e assistimos nas cidades.
A agenda do Congresso e a falta de sintonia com a população
Eu acho que a agenda do Congresso e, muitas vezes, a agenda da classe política, não é muito percebida pela população. E isto talvez indique um certo afastamento, ou melhor dizendo, um certo sentimento do cidadão de que as questões reais, que afetam decisivamente as suas vidas não estão na agenda da classe política. E aí há um descolamento, mesmo quando os temas são de importância indiscutível, como estes temas da agenda federativa, sobretudo estes que dizem respeito à repartição da renda pública, no que diz respeito ao que toca aos municípios, aos Estados, e à própria União. Então eu acho que este movimento, e tudo aquilo que ele expressa, deve levar os políticos a fazer uma grande reflexão.
Partidos não estão representados nos movimentos
Há um caráter novo nas manifestações, que não têm um líder que individualmente possa conduzir, não é o chamamento de um partido, não é propriamente uma pauta corporativa, que às vezes mobiliza. Não é uma manifestação sindical. É algo novo que brota da sociedade, e que tem nas redes sociais uma nova configuração. Que permite a auto-organização, a automobilização. Portanto, é algo novo, que nós precisamos entender.
Sociedade mais exigente
Mas eu acho é que na essência o que este movimento expressa é um estado crescente de insatisfação com o espaço de convivência das cidades. O transporte público se deteriorou. E o que é que curioso, as pessoas passaram a ter mais renda e, paradoxalmente, elas se sentem menos contempladas por este estado. E perdem a cada dia qualidade de vida. Portanto, aquele sonho das cidades, das pessoas que migraram, de que você pudesse ter acesso a uma vida melhor, a melhor oferta de serviço públicos, isto vem se frustrando crescentemente.
E na sociedade brasileira nós queimamos etapas. O automóvel no Brasil, que é o melhor exemplo do que seria a realização individual, a expressão da liberdade individual, conduziu as cidades a uma situação de colapso. Porque o Brasil, antes de se tornar um grande produtor e consumidor de automóveis, não foi capaz de criar um sistema de transporte coletivo minimamente desenvolvido. É sempre bom lembrar que Buenos Aires, na Argentina, tem quase 350 quilômetros desde a década de 30, de 40. Então veja como nós no Brasil descuidamos de um sistema de transportes que pudesse atender à demanda especialmente da grande população e da classe trabalhadora de uma maneira geral.
Então o que assistimos é uma situação de colapso. São pessoas que perdem seis horas dentro de um ônibus, às vezes em condições extremamente desconfortáveis, e que a partir daí se sentem diminuídos em sua cidadania. Ou seja, de que é que adiantou que eu pudesse ter mais renda, mais informação, maior acesso aos bens culturais, se eu não posso sequer me movimentar na minha cidade e poder ter uma vida minimamente confortável? Então eu acho que esta é a reflexão.
A reação do Poder Público
O meu temor é de que, como tem sido de hábito no Brasil, estas ações (sejam) meramente reativas e tópicas. Veja que quando ocorrem no Brasil desastres, catástrofes e ocorrências graves, há uma ação assistencial e depois você perde a agenda de caráter mais estruturante e permanente. O que eu acho é que nós devemos todos discutir hoje uma agenda séria no Brasil. Para discutir a questão do transporte coletivo, do transporte público no Brasil, e como preparar minimamente as cidades para que elas possam pelo menos ser um espaço razoável de convivência e que proporcione um mínimo de qualidade de vida às pessoas.
Esta agenda passa por uma discussão de recursos, pela desoneração do transporte coletivo, por um papel novo de regulação do Estado nesta área, que tem estabelecido um marco de regulação inadequado. Que atende à tarifa, mas não exige contrapartida à oferta de serviços de melhor qualidade. Que não acompanha, que não fiscaliza. E ao mesmo tempo algumas intervenções urbanas de caráter infraestrutural que nós precisamos realizar.
Portanto é uma agenda densa, é uma agenda complexa, não imaginem que nós vamos resolver topicamente com medidas de desoneração. E é preciso que a classe política saiba que nós podemos estar em uma situação limite.
Classe política precisa entender este fenômeno
Alguém já disse bem que aonde não chega a coragem das reformas, espreita a violência das revoluções. Portanto, este movimento, que no começo gerou perplexidade, nós não conseguimos entender no início.
Alguns quiseram até em um primeiro momento descredenciar, desqualificar, estes movimentos. Ao final eles se impuseram, porque traduzem firmemente uma manifestação de indignação, que têm conseguido dialogar com alguns setores da sociedade, e que por isto tem esta força mobilizadora. E que se expressam de uma forma nova. Por isto é que sobretudo  a classe política tem que ter a capacidade de entender este fenômeno.

Sobre ÁLVARO MELLO

...
«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

NÃO SERÁ PUBLICADO COMENTÁRIOS QUE POSSUAM PALAVRAS DE BAIXO CALÃO.
CADASTRE-SE E COMENTE A VONTADE.

NO COMMENTS WILL BE POSTED TO POSSESS profanity.
REGISTER AND WILL COMMENT.

NON SARANNO PUBBLICATI I COMMENTI CHE POSSONO ESSERE PROFANITÀ. REGISTRATI E POTRAI COMMENTARE.


Top